Após constatação em escolas, Nelson Hossri pede convocação da secretária de Educação

Após uma visita para constatar a merenda distribuída nas escolas de Campinas, o vereador Nelson Hossri (Podemos) protocolou um requerimento pedindo a convocação da secretária municipal de Educação, Solange Villon Kohn Pelicer. O documento, que solicita a presença da secretária na Câmara para esclarecer a situação da merenda escolar, já entra em votação na sessão desta segunda-feira, dia 8.

Pela manhã, o vereador percorreu escolas na Vila Georgina, Vila Teixeira e Vila Industrial para verificar a qualidade e a quantidade de alimentos que estavam sendo entregues para os alunos. Em todas as unidades foram encontrados problemas no feijão (com qualidade ruim, o que dificulta o cozimento), na carne (com excesso de gordura e sebo) e no leite (que chega a ser oferecido puro, sem achocolatado ou café – o que não condiz com o cardápio oficial da Prefeitura e nem sempre agrada as crianças).

Funcionários que preferiram não se identificar também relataram que o cardápio voltou a contar com salsicha, além de ter repetição durante a semana de alimentos como o ovo e o atum.

“As merendeiras chegam a fazer vaquinha para comprar tempero para melhorar o sabor da comida e ficar mais atrativo para as crianças. Em todas as escolas, o feijão tem aparência mais escura, como se já fosse velho”, relatou o vereador. “O cardápio que a Prefeitura divulga não condiz com a realidade no prato das nossas crianças”, completou.

Outra questão constatada na visita é que os alimentos vindos da agricultura familiar deixaram de ser distribuídos nas escolas e foram substituídos por produtos industrializados. “Além de gastar mais, os produtos industrializados não têm o mesmo valor nutricional do que da agricultura familiar”, afirmou Nelson. Segundo dados apresentados pelos funcionários das escolas, o produto industrializado é cerca de quatro vezes mais caro do que o mesmo produto vindo da agricultura familiar.

Entre os alimentos embutidos que passaram a ser entregues estão legumes (mandioquinha, milho, ervilha e cenoura) e carnes – como patinho, salsicha e atum. “O patinho parece carne de quinta. A boca da criança fica brilhando de tanta gordura”, comentou uma merendeira, que não se identificou.

Além da convocação da secretária de Educação, Nelson também protocolou requerimentos pedindo o cardápio completo das escolas, quantidade de refeição servida por dia, quem são os responsáveis pela compra de alimentos e contratos celebrados com a empresa Base Multisserviços (terceirizada responsável pelas merendeiras). O vereador também quer saber o número de crianças especiais nas escolas e se existe orientação nutricional diferenciada. “As crianças especiais precisam de um acompanhamento diferente com nutricionistas porque nem sempre elas aceitam qualquer alimento”, explicou.