NOTA 

Quanto à matéria intitulada “Vereador instala relógio ponto em gabinete”, esclareço que sempre considerei essa iniciativa uma forma de dar transparência para a população, já que as principais notícias que maculam a imagem da Câmara e dos vereadores sempre estiveram atreladas às questões relacionadas aos assessores. Ora se fala em funcionários fantasmas, ora em relações espúrias envolvendo salários dos assessores, etc.

É fato que embora os funcionários comissionados sejam contratados pela própria Câmara e, portanto, sujeitos às normas de trabalho e controle editadas pelo Setor de Recursos Humanos da Casa, no dia a dia, seja na execução de suas tarefas, bem como na frequência ao trabalho, estes estão sob responsabilidade dos vereadores que os indicaram. 

Tenho que minha iniciativa é louvável para iniciarmos uma grande discussão a esse respeito. Seja pelo método que inicialmente julguei viável (relógio ponto) ou por outro, a regulação deste assunto é matéria que se impõe. Não posso mais concordar que os desmandos de alguns possam nivelar a todos, como se estes fossem os vilões pelo mal gasto do erário público.

A maioria absoluta trata-se de pessoas comprometidas com seus empregos e que laboram no dia a dia com muito esmero e respeito pelo Poder Público. 

Por questões relacionadas às normas já existentes no Setor de Recursos Humanos da Câmara Municipal e por respeito ao princípio da isonomia, minha iniciativa não poderá ser implementada, porém, e conforme já dito, lutarei para que ocorra uma efetiva regulação e, assim, se garantirá a transparência e a justiça à esses colaboradores.