Vereador Nelson Hossri entende como retaliação política rejeição de projetos de sua autoria

O vereador Nelson Hossri (Podemos) avaliou que a reprovação do projeto que estabelece multas para fogos de artifício foi uma retaliação da base do prefeito Jonas Donizette contra sua atuação parlamentar. Embora se tratasse da legalidade, a votação seguiu a orientação política do líder de governo, como tem acontecido com projetos dos vereadores considerados independentes ou de oposição.

Para Nelson, esse tipo de postura impede a evolução da cidade, já que os projetos acabam sendo votados apenas por questão política, e não pelos benefícios que trarão para a população. No caso da proposta que estabelece multa para flagrantes de fogos de artifício com barulho, o projeto contava com pareceres favoráveis da Procuradoria Jurídica e da Constileg (Comissão de Constituição e Legalidade).

A incoerência da votação é ainda mais evidente em casos de vereadores como Permínio Monteiro, que foi a favor do projeto na Constileg, mas contra na votação, e Jorge da Farmácia, que votou contra, embora seja presidente da Comissão das Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida da Câmara e o projeto seguia orientação de entidades que atendem autistas e Síndrome de Down. Além deles, votaram contra a proposta os parlamentares Ailton da Farmácia, Aurélio Claudio, Cidão Santos, Edson Ribeiro, Gilberto Vermelho, Jorge da Farmácia, Jorge Schneider, Juscelino da Barbarense, Luiz Carlos Rossini, Paulo Galtério, Paulo Haddad e Rubens Gás.

 “O projeto estava fundamentado e corrigia a ausência de penalidade para a proibição de fogos de artificio com barulho na cidade. Quem perde com essa retaliação política é a cidade”, avaliou o vereador.

Segundo o vereador, a votação de um Código de Ética na Câmara, prevista para entrar na próxima sessão, é contraditória. “O que adianta criar um Código de Ética, se não existe ética na votação dos projetos?”, questiona. “O Código de Ética, na verdade, é uma mordaça contra os vereadores que fiscalizam o Executivo”, criticou.