Vereador Nelson Hossri faz moção de protesto contra Apeoesp

Sindicado incluiu na pauta da última assembleia um pedido para lutar contra o Proerd nas escolas

O vereador Nelson Hossri (Podemos) protocolou uma moção de protesto contra a pauta da assembleia da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), que incluiu uma reivindicação de “Luta contra o Proerd nas escolas”. A moção foi aprovada na sessão desta segunda-feira, dia 17, e será encaminhada ao sindicato, além do Ministério da Segurança Pública e ao SENAD (Secretária Nacional AntiDrogas).

O Proerd (Programa Educacional de Resistência as Drogas) foi embasado em um programa norte-americano. Ele foi trazido para o Brasil em 1992 pela Polícia Militar do Rio de Janeiro. O programa consiste em um trabalho de prevenção às drogas que reúne alunos, policiais militares, professores e pais, além de responsáveis legais e outros líderes da comunidade escolar.

“O policial militar devidamente capacitado fornece aos jovens as estratégias adequadas para se tornarem bons cidadãos, resistir à oferta de drogas e ao apelo da violência, além de promover a inclusão da família na escola”, destacou Nelson. “Não consigo acreditar que existe um professor, principalmente quem conhece o trabalho desses policiais, que seja contra o Proerd”, complementou o vereador.

Projeto de lei

Ao contrário da reivindicação do sindicato, o vereador Nelson Hossri (Podemos) protocolou, em fevereiro, um projeto de lei que institui a criação do Programa de Prevenção às Drogas em todas as escolas de Campinas. A proposta prevê a implantação de atividades como capacitação de professores, palestras e eventos artísticos e culturais que abordem o tema com os alunos.

A ideia é que o Programa seja realizado pela Secretaria de Educação em parceria com as secretarias de Assistência Social e Assuntos de Segurança Pública, especialmente com o Proin (Programa Integração) da Guarda Municipal.

Para Nelson, uso e abuso de drogas se constitui uma ameaça à sociedade. “Na verdade, todos os alunos da rede de ensino deveriam receber as atividades de programas como Proerd e Proin. Os traficantes de drogas, que hoje dominam muitas comunidades, vão passar a dominar também nossas escolas porque eles dão aos jovens tudo aquilo que os pais não conseguem dar”, finalizou o vereador.